domingo, 21 de maio de 2017

Meu pai viu a foto e não me aceita!

   


   Sempre tive problemas com a aceitação dos meus pais. De uns anos pra cá, minha mãe veio me aceitando melhor, mesmo sendo evangélica e achando que um dia eu posso me "curar". Já acreditei nesse papo e percebi que eu estava de uma certa forma me "punindo" por ser quem eu sou, acreditando no pensamento de minha mãe e esquecendo do meu e dos meus desejos. 




   Mas, aconteceu uma coisa muito especial. No dia 29 de dezembro de 2016, conheci Renato, na época ele estava viajando a trabalho, e nesse tempo eu já me apaixonei e ele também, resolvemos então entrar em um relacionamento à distância. Depois de 4 meses de namoro por internet, ele finalmente voltou da viagem, e nos encontramos pela primeira vez. 


   Eu sentia como se eu tivesse conhecendo Deus, fiquei tão nervoso que até a minha respiração estava pesada. Chegando no local de encontro, parque da cidade, fica aqui em Brasília mesmo, vi aquela coisa linda, me olhando com aqueles olhos que não sei se são mel, amarelos ou castanhos, até hoje não me decidi rs. Depois cada um foi para sua casa. Falei dele para meus pais e os dois pediram para conhecer Renato, coisa que me deixou surpreso pois eu nem se quer tinha pedido para trazê-lo até a minha casa, muito menos para conhecer meus pais, mas assim foi, marcamos um domingo e ele veio. 

   Quando Renato cumprimentou meu pai, meu pai logo mudou de comportamento. Passou o tempo todo trancado no quarto, quando saía do quarto, passava por nós com a cara fechada. Fiquei com medo pois eu já conhecia o tipo de meu pai e falei para minha mãe, que por sinal amou o Renato e o tratou super bem, que nós iríamos para a casa de uma tia minha, pois eu estava com medo de meu pai perder a cabeça e ficar descontrolado. Logo depois meu pai veio conversar comigo, falou que eu o desrespeitei pois eu e Renato havíamos ficado de mãos dadas e abraçados no sofá, e que ele sentia vergonha de mim. Discutimos bastante, ficamos um tempo sem trocar uma se quer palavra, até tudo voltar ao normal. 

   Antes de me assumir, bloqueie meu pai das minhas redes sociais pois eu sabia que qualquer coisa que eu postasse ele iria me reprimir ou me colocar para baixo. Até que, final de semana passado, fui fazer uma trilha com o meu namorado, lugar lindo, tiramos varias fotos e eu postei uma. Meu pai viu essa foto em uma rede social da minha mãe e o pau quebrou... Ouvi coisas que me marcaram muito, mais uma vez ele me falou que eu era a vergonha pra ele, que já estava na hora de eu seguir meu caminho, logo eu que tenho apenas 17. Sou a vergonha do meu pai pelo simples fato de amar alguém diferente, de ser diferente, de pensar diferente, pelo simples fato de ser eu. 


   Desde então, minha mãe vem me defendendo, a intolerância dele está acabando com a família, pois minha mãe pensa até em divórcio, com medo dos atritos dentro de casa, me sinto meio culpado, mas não nego quem eu sou, nunca vou negar. Meu pai ameaçou me pegar de porrada caso eu continuasse a ser eu mesmo, agora corro risco de apanhar. 


   A pior coisa é não ter apoio dentro de casa, no meio das pessoas que deveriam estar ali com você, seja como você estiver, seja como você for. Geralmente, as pessoas de fora da família aceitam melhor pessoa LGBTQ do que o pessoal da própria linhagem. Graças a Deus tenho minha mãe e minhas tias que me apoiam e me defendem. Se não, eu não sei como eu estaria agora. 

   Chorar? Claro! As coisas que eu ouvi dói, magoam, deixam marcas, me derrubam por um certo momento, mas logo me levanto, e mostro que sou homem sim, sou gay sim, estou amando uma pessoa sim, e nada e nem ninguém vai fazer com que eu vá contra a minha natureza. Um dia meu pai vai envelhecer, vai ficar dependente de mim, assim como um dia eu fui dele, e eu estarei de braços abertos para ele, para ajudar, para tomar de conta, dar abrigo e paz, coisa que ele não fez comigo quando eu precisei. Não penso nisso como vingança, muito pelo contrário, o perdão faz nós evoluirmos como seres humanos, e eu sempre procuro a evolução. Meu coração é grande, amo mesmo levando pancada. Se um dia meu pai não foi o pai que eu precisei, eu serei o filho que ele um dia irá precisar. 
João Coutinho

a foto: