terça-feira, 18 de abril de 2017

Caça aos gays no exército da Coréia do Sul

Perfis falsos estão sendo criados para caçar gays enrustidos


    Um porta-voz do exército negou as afirmações chocantes.

     O exército sul-coreano está tentando descobrir soldados gays em suas fi
leiras.

     O Centro Militar de Direitos Humanos da Coréia (MHRCK) afirmou que o general Jang Jun-kyu, chefe de estado-maior do exército, lançou uma tentativa de atrair soldados gays para revelarem sua sexualidade.

    De acordo com os relatórios, um método que está sendo usado é a criação de perfis falsos em aplicativos gay em uma tentativa de rastrear os soldados enrustidos.

    Acredita-se que mais de 50 soldados gays foram identificados até agora, com mais de 20 deles enfrentando acusações sobre a lei militar anti-gay do país.




    "Gen Jang é obviamente incapaz de liderar o exército", disse MHRCK em um comunicado. "Ele tratou seus homens que fizeram o melhor para proteger sua terra natal como se fossem culpados e lhes fizeram sofrer o mais horrível medo - perder a dignidade pessoal".

    "Ele deve assumir a responsabilidade e renunciar imediatamente", acrescentou a declaração.

    O artigo 92.º do Código Penal Militar, atualmente objeto de recurso judicial, regula as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo como "assédio sexual" e é punido com pena máxima de um ano de prisão.


    Apesar das reivindicações, o exército negou uma caça em grande escala de homens gays, e só admitiu a um incidente.

    Um porta-voz disse ao The 
Korea Herald : "A equipe de investigação lançou a busca depois de reconhecer que um soldado histórico enviou um vídeo dele tendo relações sexuais com outro soldado em mídias sociais".